segunda-feira, 23 de junho de 2008

"eu sou uma pergunta" - Clarice Lispector.


Mas oq é uma pergunta?

De uma lado, além da metalinguagem ser uma técnica para quem escreve monólogos, ela pode ajudar a esclarecer;
De outro, em casos como este, ela aumenta o nível de complexidade da reflexão.
De acordo com o dicionário, é "a frase ou palavra com que se interroga".
É verdade que seja uma dúvida, no entanto não me limito ao dicionário.
Por trás desta curiosidade, há uma constante busca por respostas.
Quem sou? O que faço aqui? Qual minha missão? Aonde vou? O que há além deste mundo? Há limite no tempo? O que é a eternidade?
Essas perguntas são freqüentes a todos, fato que prova o ceticismo individual.
Muitas perguntas não têm respostas. E vou além: todas as perguntas desprovidas de razão não têm respostas satisfatórias. Isso pq somos todos uma pergunta...

2 comentários:

Elma Carneiro disse...

E como gosto de Clarice Lispector!
Seu blog... lindo!!!
Obrigada pela referência e você já faz parte do meu itinerário de visitas.
E quanto a poesias, deixo um endereço, aguardando sua presença.
Bjusss
___,,

http://navelirica.blogspot.com/

Camilla disse...

Poxa! Blogguer lindo! Volta pra poesia menina!

"Vi ontem um bicho, catando comida entre os detritos...O bicho, meu Deus, era um homem"

"Vi ontem um bicho, catando comida entre os detritos...O bicho, meu Deus, era um homem"
Mais do que isso: era uma criança, vítima da desigualdade social. No trecho de Bandeira, há uma realidade social e uma crítica política. A cada esquina há gente concorrendo com os ratos a fim de obter comida; Esta situação da vida real contrapõe a existência do direito humano. Este diz que "todo ser humano deve ser conhecido como pessoa e não como animal”. O papel fundamental dos direitos humanos é conciliar valores como paz e consciência. Somos todos diferentes do que diz respeito às culturas, mas a busca pelo equilíbrio e pela igualdade jurídica deve permanecer constante. As leis só são papéis, portanto não têm efeito se não forem postas em prática. Basta olhar para foto e se lembrar daquele menino que você viu catando lixo. Cadê a prática dos direitos humanos? Não quero mudar o mundo, visto que as pessoas, individualmente, têm que mudar os seus pensamentos. E não é uma questão de pena, é uma questão de HUMANIDADE.